Cidadania Italiana

Nossas propostas

As presenças de Luiz Pastore, candidato ao Senado e de Luis Roberto Lorenzato, candidato à Câmara dos Deputados se revestem de enorme relevância para todos aqueles que têm na Itália o país de origem de suas famílias e, principalmente para aqueles que buscam a cidadania italiana.


A cidadania

A cidadania italiana representa um conjunto de garantias a que todo cidadão italiano tem direito. A obtenção de um passaporte italiano e, portanto europeu, é apenas um desses direitos. Essa cidadania também confere diversos outros direitos importantíssimos, entre eles:

  • Cursar uma universidade na Itália ou na Europa de graça e sem vestibular;
  • Utilizar um dos melhores sistemas de saúde do mundo sem ter de pagar, podendo, inclusive, fazer cirurgias complexas como transplante de coração, fígado ou rim;
  • Comprar a primeira casa com financiamento dos bancos públicos a taxas de juros muito mais baixas;
  • Poder se aposentar desde que tenha contribuído pelo menos durante quatro anos para o instituto de previdência da Itália.

A ameaça

É importante mencionar que o direito à cidadania italiana por parte dos descendentes está sob grave ameaça. Até hoje e desde há muitas décadas, esse direito é garantido pelo “jus sanguinis”, o Direito de Sangue, que garante a cidadania aos descendentes de italianos nascidos fora do território italiano.

Esse direito está sob direta ameaça da esquerda italiana que pretende fazer alterações profundas no seu direito e no direito da sua família ao pretender eliminar o “jus sanguinis” e substituí-lo pelo “jus soli” que determinaria a cidadania pelo local de nascimento e não mais pela descendência.

Uma primeira tentativa foi feita em Novembro do ano passado e quase prevaleceu. Porém, continua a ser um objetivo prioritário para os partidos de esquerda e centro-esquerda italianos.

Portanto, é dentro deste quadro ameaçador que as candidaturas ao Parlamento Italiano aqui apresentadas se tornam de maior importância.

“Temos que ter voz ativa no Parlamento Italiano para impedir esse absurdo”, adverte Luiz Pastore. “Nós que nascemos no exterior e temos sangue italiano, não podemos deixar de ter estes direitos para os nossos descendentes“ aponta Luis Roberto Lorenzato.

Ambos participam da luta pela manutenção do “jus sanguinis”, e assim garantir a todos os descendentes os direitos de uma cidadania italiana.

Participe, divulgue as nossas propostas, vote pelo seu direito e de seus familiares.

A Itália está no sangue. Sempre!